Últimos Poemas


Una collezione di Nuno Rocha Morais pubblicata nel 2009
Prefazione di Joana Matos Frias
Illustrazioni di Rasa Sakalaité

QUE NÃO
ACABES NUNCA
DE ME
ESQUECER


________________
INDICE
 
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
49
50
51
52
53
68
71
75
76
89
Não nos deixeis cair...
Que não acabes nunca de me esquecer...
Grato pela tua nudez...
A carne do olímpico...
Fazer o quê de todo este mel...
Talvez não fosse afrancesado o bastante...
De todos os gatos...
Viveram ainda muitos anos...
Um porto – a putrescência da chegada...
Nem sempre o mundo cai de pé...
Como fotografia de família...
Sem ti, dei cada passo...
Uma sirene de fábrica...
Lustral pensar...
27 de Novembro de 1912
A romã é um fruto ofegante...
Brinquei, pela calada...
A romena Liana era como um fósforo...
A « Nova » Europa
Em Chartres
Gaudí
Mársias e a cintigrafia
«Le bal au Moulin de la Galette»
Canção
Tensos os músculos do pescoço ...
A dança lê o espaço ...
Em Itália
A morte de Kavafis
Para Zbigniew Herbert
Deixei de frequentar...
Ao teu lado, mudo ...
Vou por vielas sombrias...
Na planície, o Verão...
Quando a meia-noite começa...
O Velho da Montanha
MB
Terça-feira
Com um punhal, de noite...
Deveria ser dado que morrêssemos ...
Um homem. De neblina...
Duas mulheres de Leonardo
Mantém a cabeça bem alta...
Se não é um dos muitos fuzilados...
Tremiam, extremas...
Acontecerá tudo num café...
A sua infância foi um país ocupado...
Um método - exercício pongiano
Para além do Pont Adolphe...
Retrato
A invenção das seis horas
Na cadeira do dentista
O casal perfeito
Museu Soares dos Reis
Encontrei-te num labirinto...
Il y a
Trincheira
Biografia
Non fateci incappare...
Che tu non finisca mai di dimenticarmi...
Grato per la tua nudità...
La carne dell’olimpico...
Che fare di tutto questo miele...
Forse non s’era abbastanza francesizzato...
Di tutti i gatti...
Vissero ancora molti anni...
Un porto – la putrescenza dell’arrivo...
Non sempre il mondo cade in piedi...
Come una foto di famiglia...
Senza di te, ogni mio passo...
Una sirena di fabbrica...
È catartico pensare...
27 Novembre 1912
La melagrana è un frutto soffocante...
Giocai, di nascosto...
La romena Liana era come un fiammifero...
La «Nuova» Europa
A Chartres
Gaudí
Marsia e la scintigrafia
«Le bal au Moulin de la Galette»
Canzone
Tesi, i muscoli del collo...
La danza legge lo spazio
In Italia
La morte di Kavafis
A Zbigniew Herbert
Ho smesso di frequentare...
A te accanto, muto...
Vado per vicoli bui...
Sulla pianura, l'Estate...
Quando la mezzanotte comincia...
Il Vecchio della Montagna
MB
Martedì
Con un pugnale, di notte...
Ci dovrebbe esser concesso di morire...
Un uomo. Di nebbia...
Due donne di Leonardo
Tieni ben alta la testa...
Se non è uno dei tanti fucilati...
Tremavano, convulse...
Tutto succederà in un caffè...
La sua infanzia fu un paese occupato...
Un metodo - esercizio pongiano (prosa)
Al di là del Pont Adolphe...
Ritratto
L’invenzione delle sei del mattino
Sulla sedia del dentista
La coppia perfetta
Museo Soares dos Reis
Ti ho trovata in un labirinto...
Il y a
Trincea
Biografia







Nessun commento:

Posta un commento